Notas

MAPA 1

A parte rosa do mapa foram as terras que a Inglaterra cedeu aos Estados Unidos através do Tratado de Versalhes, de 1783 e que reconhecia a independência do novo país.

 

Imagem

MAPA 2
Demonstra,por data, todas as conquistas territoriais dos Estados Unidos.

Imagem

Mapas

Imagem

“Enquanto, Senhora, o Brazil considerasse o homem como o objeto explorativo do homem ou como o vil instrumento de sua mais torpe especulação, falleceriam-lhe todos os mananciaes precisos, quer divinos, quer humanos, para assentar os melhores fundamentos de sua independência”

Parte da transcrição original do texto de oferecimento da pena (retratada na imagem acima) para a assinatura da lei Áurea pela Princesa Isabel em 1888. A pena em questão pertence ao acervo do Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro.

Para quem têm preguiça de ler textos grandes, algumas perguntas e respostas diretas!

– Por que começou na Inglaterra?
 A Inglaterra possuía grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo, ou seja, a principal fonte de energia  para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor. Além da fonte de energia, os ingleses possuíam grandes reservas de minério de ferro, a principal matéria-prima utilizada neste período. A mão-de-obra disponível em abundância (desde a Lei dos Cercamentos de Terras ), também favoreceu a Inglaterra, pois havia uma massa de trabalhadores procurando emprego nas cidades inglesas do século XVIII. A burguesia inglesa tinha capital suficiente para financiar as fábricas, comprar matéria-prima e máquinas e contratar empregados.
 
– Como era o sistema de comercialização naquela época?
 
Era atra vez do artesanato ,ou seja,o produtor possuía os meios de produção:instalações,ferramentas e matéria prima.Em casa,sozinho ou com a família,o artesão realizada todos as etapas da produção.
 
– Qual foi o resultado da manufatura?
 
A manufatura resultou da ampliação do consumo, que levou o artesão a
aumentar a produção e o comerciante a dedicar-se à produção industrial.
O manufatureiro distribuía a matéria-prima e o arte­são trabalhava em casa,
 recebendo pagamento combinado. Esse comerciante passou a produzir.
Primeiro, contratou artesãos para dar acabamento aos tecidos; depois,
tingir; e tecer;e finalmente fiar. Surgiram fábricas, com assalariados,
sem controle sobre o produto de  seu trabalho. A produtividade aumentou
por causa da divisão social, isto é, cada trabalhador realizava uma etapa da produção.
– Qual foi a etapa que se consolidou a Revolução Industrial?
 
Na maquinofatura,o trabalho estava submetido ao regime de funcionamento
da máquina e a gerência direta do empresário.
 Quais foram os quatro elementos principais da Revolução?
Capital, recursos naturais, mercado e transformação agrária.
 
– Como eram as fábricas antigamente?
 
Eram precárias pois os ambientes tinham péssima iluminação, eram abafados e sujos. Os salários recebidos pelos trabalhadores eram muito baixos e chegava-se a empregar o trabalho infantil e feminino. Os empregados chegavam a trabalhar até 18 horas por dia e estavam sujeitos a castigos físicos dos patrões. Não havia direitos trabalhistas como, por exemplo, férias, décimo terceiro salário, auxílio doença, descanso semanal remunerado ou qualquer outro benefício.
Depois de um certo tempo,as pessoas resolveram reinvidar seus direitos e o que eles fizeram para que houvesse uma melhor condição de trabalho?
Os empregados das fábricas formaram as trade unions (espécie de sindicatos) com o objetivo de melhorar as condições de trabalho dos empregados. Houve também movimentos mais violentos como, por exemplo, o ludismo. Também conhecidos como “quebradores de máquinas”. O cartismo foi mais brando na forma de atuação, pois optou pela via política, conquistando diversos direitos políticos para os trabalhadores.
 
– E como teve “fim” a Revolução Industrial? Diga os lados positivos e negativos desse acontecimento.
  • Positivos
 
A Revolução tornou os métodos de produção mais eficientes;
Os produtos passaram a ser produzidos mais rapidamente, barateando o preço e estimulando o consumo.
 
  • Negativos
 
A poluição ambiental, o aumento da poluição sonora, o êxodo rural ;
O aumento de desempregados;
Crescimento desordenado das cidades também foram conseqüências nocivas
 para a sociedade.

Perguntas e respostas diretas!!!

Revolução Industrial   Fatores e Etapas, Consequências Sociais Econômicas revolucao industrial historia
Mudanças no espaço geográfico advindas da Indústria

A definição ou conceito do que foi a Revolução Industrial pode ser resumida na substituição da energia física (Humana) pela energia mecânica (das Máquinas). Porém, trata-se de um processo lento, gradativo e irreversível que gerou transformações econômicas, políticas e sociais além de ter sido um processo decisivo para o estabelecimento da sociedade capitalista. Ela iniciou-se na Inglaterra, que apresentava alguns fatores favoráveis que seguem abaixo:

Fatores do Pioneirismo Inglês

* Acumulação primitiva de capitais, desde do renascimento urbano e comercial do fim da Idade Média, por parte dos Burgueses.

* A forma de governo, o Parlamentarismo, influenciou pois o poder político estava nas mãos da Burguesia.

* Liberalismo Econômico – mão invisível e mercado livre.

* As colônias também foram importantes pois forneciam matérias-prima para a Industria Têxtil (algodão)

* Política dos Cercamentos no Campo (para produção de lã) que gerou matéria prima e mão de obra expulsa do campo para a cidade (êxodo rural).

* Supremacia Naval Inglesa.

* Jazidas de Ferro e Carvão (recursos naturais e energéticos)

Consequências das Transformações

a) Indústriais – maquinofatura, com a eliminação do trabalho artesanal (este não conseguia concorrer aos preços e produção das fábricas);

– surgimento da classe operária, chamada por Karl Marx de Proletariado (quem vende sua força de trabalho);

– separação entre capital e trabalho e consequentes conflitos entre patrão e proletário.

b) Sociais – urbanização (pelo êxodo Rural);

– más habitações (cortiços; falta de saneamento, saúde e higiene);

– Altas jornadas de trabalho, Baixa remuneração e condições Insalubres de trabalho;

– Desemprego, Exploração do trabalho da Mulher e Infantil;

– Doenças: como peste bubônica e varíola.

Revolução Industrial

A definição ou conceito do que foi a Revolução Industrial pode ser resumida na Substituição da energia Física (Humana) pela energia Mecânica (das Máquinas). Porém, trata-se de um processo lento, gradativo e irreversível que gerou transformações econômicas, políticas e sociais.

Este processo, iniciou-se na Inglaterra, que possuía fatores favoráveis à Revolução e foi um processo decisivo para o estabelecimento da sociedade capitalista.

Fatores do Pioneirismo Inglês

* Acumulação primitiva de capitais, desde do renascimento urbano e comercial do fim da Idade Média, por parte dos Burgueses.

* A forma de governo, o Parlamentarismo, influenciou pois o poder político estava nas mãos da Burguesia.

* Liberalismo Econômico – mão invisível e mercado livre.

* As colônias também foram importantes pois forneciam matérias-prima para a Industria Têxtil (algodão)

* Política dos Cercamentos no Campo (para produção de lã) que gerou matéria prima e mão de obra expulsa do campo para a cidade (êxodo rural).

* Supremacia Naval Inglesa.

* Jazidas de Ferro e Carvão (recursos naturais e energéticos)

Consequências das Transformações

a) Industriais – maquinofatura, com a eliminação do trabalho artesanal (este não conseguia concorrer aos preços e produção das fábricas);

– surgimento da classe operária, chamada por Karl Marx de Proletariado (quem vende sua força de trabalho);

– separação entre capital e trabalho e consequentes conflitos entre patrão e proletário.

b) Sociais – urbanização (pelo êxodo Rural);

– más habitações (cortiços; falta de saneamento, saúde e higiene);

– Altas jornadas de trabalho, Baixa remuneração e condições Insalubres de trabalho;

– Desemprego, Exploração do trabalho da Mulher e Infantil;

– Doenças: como peste bubônica e varíola.

A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

  • A Família Real no Brasil (1808-1821)

 

                                I.            Contexto Histórico

 Europa do início do século XIX > Guerras napoleônicas > Bloqueio Continental (1806) >  Soberana lusa Maria I  “cria” dependência de Portugal  em relação à Inglaterra.

                              II.            Fuga do príncipe-regente D. João e da família real diante da invasão das tropas francesas

Transferência da Corte portuguesa para o Rio de Janeiro em 1808, sob escolta da Marinha BRITÂNICA

                            III.            Abertura dos Portos Brasileiros às Nações Amigas de Portugal em 1808 :

Atendia aos interesses do comércio inglês (então bloqueado na Europa por conflitos com a França) > liberdade Econômica ao Brasil

                            IV.            Tratados de Comércio e Navegação e Aliança e Amizade

D. João assina com a Inglaterra, em 1810, tratos em que mercadorias britânicas desfrutavam de taxas alfandegárias menores, em que Portugal deveria reduzir gradativamente o tráfico negreiro > fatos que contribuíram para retardar a industrialização no Brasil.

                              V.            Igualdade política em relação à Portugal

 Elevação do Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves. A partir da Conferência de Viena, em 1815, o Brasil deixa de ser Colõnia.

                            VI.            Revolução Pernambucana

Movimento separatista e republicano, influenciado pelas idéias iluministas. Ao longo de quase três meses a revolução alastrou-se pelo nordeste, entretanto as tropas de D. João VI reprimiram o movimento.

  • A emancipação Política

Comerciantes portugueses iniciaram um movimento exigindo a volta de D. João VI a Portugal, a promulgação de uma constituição liberal e o restabelecimento dos monopólios e privilégios no comércio com o Brasil, abolidos em 1808, deram início a emancipação Política Brasil-Portugal.

 Imagem

Charge Síntese do processo de emancipação do Brasil: a aristocracia comemorando, o povo alheio e distante, e, por trás, a presença INGLESA. Por Miguel Paiva

 

  • Retorno da família real a Lisboa e regência de Dom Pedro I.

Regência de D. Pedro I

        I.            Duas forças políticas:

a)      Partido português

Burocratas, comerciantes e militares lusos, partidários da recolonização.

Representantes:  José Bonifácio de Andrada e Silva, líder do partido

b)      Partido brasileiro

Aristocracia rural, elite brasileira nascida ou não no Brasil . Pregavam o anticolonialismo

Após uma série de viagens pelas províncias brasileiras com o objetivo de pacificar conflitos regionais e ganhar apoio para o seu governo, D. Pedro II, no dia 7 de setembro de 1822, a meio caminho entre Santos e São Paulo, às margens do riacho Ipiranga, proclamou a Independência do Brasil.

      II.            Independência para quê (m)?

  1. Garantir a integridade territorial, transformar os diversos povos do Brasil em apenas um, inclusive instaurar língua comum e ordenar a não-utilização dos dialetos indígenas.
  2. Conter e reagir contra as emancipações nas províncias da Bahia, Maranhão, Piauí, Pará e Cisplatina.

 

    III.            Reconhecimento da Independência.

  1. Estados Unidos, em 1824 lançando a Doutrina Monroe : “América para os americanos”.
  2. Portugal, em 1825, sob forte PRESSÃO INGLESA e em troca de indenização de dois milhões de libras.

 

    IV.            Início da dívida externa

  1. Empréstimos feitos junto à INGLATERRA para garantir a independência.

 

      V.            Falta de manutenção das estruturas coloniais:

  1. Escravidão, monocultura, latifúndio, DEPENDÊNCIA ECONÔMICA, FALTA DE DIREITOS e de PARTICIPAÇÃO POLÍTICA, pobreza.

 

    VI.            Crise econômica:

  1. Esgotamento da mineração
  2.  Falta de produtos de exportação (açúcar, algodão, couro)diante da concorrência internacional.

 

  VII.            Dissolução da Assembléia Constituinte, 1823

  1. Apresentação da elaboração de um projeto constitucional, por parte dos Brasileiros, que limitava os poderes do monarca.

 

  1. Constituição de 1824
    1. Estabelecia que a monarquia era hereditária, constitucional e representativa.
    2. Presença de quatro poderes; Moderador; Executivo; Legislativo e Judiciário.
    3. Voto aberto e baseado na renda (censitário)
    4. Eleições indiretas
    5. Catolicismo como religião oficial
    6. Submissão da Igreja ao Estado

O Processo de Independência

Etiquetado